O que pode no primeiro encontro? Até que ponto ir? Seja apenas você, seja uma mulher livre!

By 5 de Janeiro de 2018Karoll Chamone
O que pode no primeiro encontro? até que ponto ir? Seja você apenas, seja livre!

Quando falamos em sexo casual, sabemos o que ainda hoje a nossa sociedade expressa. E eis a questão, levamos ou não o que essa sociedade diz em consideração?

Bem, este questionamento é bem pessoal, e isso vai depender muito do cenário que você se encontra.

Algo que pode te ajudar a decidir se você permite ou não uma pessoa nova dividir fluidos com você e deve ser levado em consideração é saber em que situação rolará ou não o sexo casual:

  • Em que ambiente se conheceram?

  • Como vocês se conheceram?

  • Já se conheciam antes?

  • Fica então a dica para você que está pensando se vai ou não!

A nossa conduta sexual é marcada por nossa cultura, mas também se origina de uma ordem biológica e fisiológica, e de certa maneira essa conduta impulsiona o homem a buscar ativamente o sexo e as mulheres são colocadas a esperar o momento propicio, (mesmo que essa mulher esteja morrendo de vontade. Quanta repressão sexual.

Pode-se dizer que os tempos mudaram, mas será que mudaram tanto a não subjugar o comportamento da mulher? Eu não duvido que evoluímos, mas os costumes de tantos séculos de machismo ainda são latentes e correm nas veias da nossa sociedade. É por isso que ainda nos dias atuais as mulheres se perguntam se devem ou não fazer e, mesmo que elas se sintam à vontade, ou com desejo a flor da pele, surgem os pensamentos moralistas automáticos, muitas vezes até hipócritas, se instalando e mesmo assim continuam surgindo. Alguns questionamentos repressivos são: “Se eu fizer, ele pensará que sou uma mulher fácil”, “Aprendi que uma mulher deve se dar respeito e que o homem que me quer mesmo, precisa esperar para me ter” ou “Se fizermos sexo na primeira vez, ele vai sumir e não vai querer mais nada comigo”.

Sob minha perspectiva e ponto de vista, os questionamentos morais carecem de sentido porque são injustos demais. Não podemos julgar nenhum ser humano pois não estamos em seu lugar para saber realmente os reais motivos que fizeram fazer o deixar de fazer algo. Principalmente os motivos de uma mulher ou de alguém que se comportou de tal maneira.

Para falar a verdade nenhuma mulher deveria julgar a si mesma ou a outras mulheres por uma conduta. Temos ainda muito o que aprender sobre sororidade, a mulher precisa se unir para enfrentar preconceitos que as rebaixam em todos os sentidos.

Mas, voltando a decisão de: E agora, vai rolar ou não? Bem, posso te dizer que se o único freio que te move é esse preconceito de palavras mal-intencionadas como: “o que dirão”, acredito que essa você deve trabalhar para se libertar dessa repressão e das crenças limitantes que te diminuem e se apropriar de seu desejo já. Vai fundo! Isso implica não só em permitir-se desfrutar de um encontro sexual na primeira noite, mas irá te empoderar a ser uma mulher de pulso, que decide por seus atos e não se deixa afetar por opiniões alheias com as desculpas e justificativas.

Se você observar também é o caso de uma mulher que dorme na primeira noite com um homem que se faz encantador e depois conclui que “ele deve ter algo diferente, pois eu nunca faço essas coisas”, colocando esse homem em uma posição especial sem motivo algum, ficando vulnerável a ele ou se apegando emocionalmente nesse momento oportuno.

Se você se sente confortável e tem a plena certeza que não colocará neuras em sua cabeça por fazer ou ter um encontro sexual de primeira vez, ok. Mas se por um acaso você não se permite aceitar as suas próprias decisões, você será a primeira a julgar-se, punido e assumindo um papel inferior ao outro. Por isso é uma questão muito individual, que precisa ser trabalhada em você e também na sociedade para não reprimir o comportamento da mulher, e a decisão está consigo mesma.

Sabemos que há também uma discussão que permeia o encanto de conquistar o que se quer, e essa visão tem a ver com a possível progressão do casal em relação ao início do relacionamento e sua continuidade. De fato, às vezes o encontro íntimo é mágico quando existe uma espera e uma aproximação mais lenta, pois neste meio termo abre-se mais espaço para ambos fantasiarem, aumentarem o desejo, a curiosidade e a imaginação flui. No entanto, muitos casais que permanecem juntos há muito tempo tiveram relações sexuais no mesmo dia ou na mesma noite em que se conheceram, não esqueça disso. Então se existe a vontade da mulher de segurar mais o homem, para despertar nele e impulsionar o cortejo, a paquera que hoje em dia é muito rápida, vai da mulher. Eu posso afirmar que ao tratar de sexualidade não há regras exatas para relacionar-se, que funcionará para você e para as outras pessoas, isso vai depender muito de cada um, não existem fórmulas pré-estabelecidas, ou mágicas, não existem receitas óbvias, e cada casal lida com a situação da forma que considera mais adequada naquele determinado momento a depender da maturidade do casal, contudo podemos dar sugestões de como agir baseando-se em sua própria postura, para te deixar segura de que a atitude que será tomada ali, é a que mais lhe agrada. Sem preconceitos com você mesma, ok? Empodere-se de seu corpo e de seu prazer, sabendo exatamente até aonde você estará confortável para fazer ou deixar de fazer algo.

Espero que meu posicionamento sobre o tema te ajude a se empoderar e aceitar você, e suas decisões.

Beijinhos da Karoll Chamone

Leave a Reply